terça-feira, 5 de setembro de 2017

Dezoito caçadores são detidos com mil aves mortas no sertão de SE

Foto: Ibama

Brasília (01/09/2017) – Operação de combate à caça realizada pelo Ibama na divisa dos municípios de Itabi e Gararu, em Sergipe, resultou na apreensão de mil aves abatidas e na aplicação de 14 autos de infração, que totalizam R$ 329 mil. Dezoito pessoas foram detidas.
Após denúncias, agentes ambientais flagraram caçadores e interromperam a matança de aves em rota migratória no sertão de Sergipe. Cerca de 200 pessoas abatiam cardineiras (Zenaida auriculata) na região. A espécie, também conhecida como avoante ou arribaçã, se desloca em grupos e tem o hábito de fazer ninhos diretamente no solo da caatinga, em áreas chamadas de pombais. Esse hábito torna a arribaçã uma presa fácil. Técnicos do Instituto estimam que cerca de 2 mil aves eram mortas por dia.
“A caça de avoantes durante esse período é duplamente cruel: milhares de aves adultas são mortas em plena fase reprodutiva, comprometendo a sobrevivência da espécie, e os filhotes abandonados acabam morrendo de fome”, disse o coordenador de Operações de Fiscalização do Ibama, Roberto Cabral.
A caça de animais silvestres nativos ou em rota migratória é uma infração ambiental prevista no Decreto 6.514/08, que estabelece multa de R$ 500 a R$ 5 mil por espécime, além da apreensão dos petrechos. Os infratores poderão ser denunciados pelo Ministério Público e responsabilizados judicialmente por crime ambiental. A legislação prevê detenção por seis meses a um ano - se for configurada caça profissional, a pena pode ser triplicada.
Os animais abatidos foram incinerados na região de Capela (SE). “O Ibama dará continuidade às ações de educação ambiental e fiscalização para evitar o abate de aves na região", disse o chefe da Divisão Técnico-Ambiental (Ditec) da Superintendência do Ibama em Sergipe, Luciano Bazoni

Nenhum comentário:

Postar um comentário